Incoerência de políticos faz o povo desacreditar neles

Os políticos que exercem o chamado “mandato popular”, com muita poucas exceções, Desenvolvem uma prática que nada tem a ver com o mandato que lhe foi confiado. São políticos que durante os períodos eleitorais, em sua peregrinação pelo voto, Estão sempre a abraçar o Zé ninguém, a dirigir-lhe os tradicionais tapinhas nas costas, a oferecer-lhe carona em seus automóveis mesmo para os lugares que não fazem parte do seu percurso. E o período em que prometem mundos e fundos. Depois de eleitos, os seus compromissos são outros e com outros que não são os Seus eleitores.

Precisaríamos talvez fazer um livro para publicar os casos em que, por exemplo, um Parlamentar está sendo “um prego no sapato” na aprovação de uma determinada Matéria e logo se encontra um jeitinho: Basta oferecer-lhe uma boa viagem, com todas As mordomias que se pode imaginar, e o parlamentar estará deixando ser aprovado Um determinado projeto que foi por ele próprio muito criticado em inflamados discurso. Os casos dessa natureza são muitos, tanto a nível de Congresso Nacional e Câmara Dos Deputados como a nível das Assembleias Legislativas dos Estados e até mesmo Ao nível das Câmaras de Vereadores dos Municípios.

Para quem tem acesso aos meios de informações como o Diário Oficial do Estado E o Diário Oficial da União, é fácil verificar o quanto se utiliza dessa “jogada”. Se há um projeto que é contestado por um número suficiente de parlamentares Que seja capaz de impedir a aprovação, inventam-se viagens, cursos etc, a fim De afastá-los no momento da votação. E esses senadores, deputados e vereadores sabem bem disso, mas para eles, no momento, os interesses pessoais superam os Interesses sociais, ou seja, os interesses do município, do Estado ou da Nação.

Essa matéria já foi escrita há 36 anos, para ser mais preciso em outubro 1982, no Jornal o Grito da Terra, de Feira de Santana-Bahia, mas parece que foi ontem. Estamos pleno século XXI e nada mudou quando se trata de Políticos no Brasil.

Lyra Sosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *